MENU

Blog Izyncor

Cor do Sangue, Cor do Perigo

O significado do vermelho no cinema

A psicologia das cores é amplamente usada no marketing de empresas e produtos, no nosso dia a dia e em uma gama gigantesca de contextos. Cada cor tem seu significado e influência sobre nossas emoções, variando de cultura a cultura. Eu poderia me ater à cor preta: dado o teor dessa coluna, que sugestivamente se chama “Escuridão Total”, seria o mais óbvio. No entanto, prefiro sair da zona de conforto para lhes apresentar a cor mais poderosa, a mais quente, a mais perigosa: o vermelho. Mais especificamente, o uso do vermelho no cinema.

O mais intuitivo ao se pensar na cor vermelha é a paixão, o romantismo, como em Moulin Rouge (2001). Na obra, essa tonalidade é evidenciada para simbolizar o sentimento avassalador entre os personagens principais; ou em Beleza Americana (1999), onde as pétalas de rosa são a marca registrada do longa, cobrindo o corpo nu da personagem desejada pelo protagonista. Pretendo, entretanto, afunilar ainda mais o uso do vermelho e seus tons, como carmesim, escarlate, rubro e tantos outros, para falar de como ele simboliza o perigo, seja de forma implícita ou explícita.

Para começo de conversa, é a cor do “PARE” nos semáforos e nas placas de alerta, e da maçã que a bruxa dá à Branca de Neve. A Lista de Schindler (1993) usa magistralmente uma única cor no preto e branco, fazendo uma garotinha destoar totalmente em uma multidão graças ao seu casaco vermelho. Além de simbolizar a inocência (outro significado da cor), aqui ela tem um segundo propósito: causar um efeito devastador no personagem de Liam Neeson e no público ao mostrar um casaquinho vermelho em uma pilha de cadáveres. Neste caso, a cor também serve como prenúncio da morte, do perigo que a menina corria. Também tem um simbolismo maior, responsável pela mudança do protagonista. Em uma das cenas mais icônicas da série Breaking Bad, Walter White está tentando explicar à sua esposa que não corre risco; na verdade, é o perigo. Então, ele retira a camisa e revela a camiseta vermelha exatamente no momento da fala. Matrix (1999) escancara o poder do vermelho de várias formas, seja na cor de uma das pílulas (a que leva à verdade), na gravata do agente Smith (o grande vilão) ou na roupa usada pelo traidor. Há ainda uma cena em que Neo se distrai com uma mulher de vestido vermelho na multidão e é alertado por Morpheus que a distração pode levá-lo à morte.

Mas vamos descer ainda mais na Deep Web da cor de Marte no cinema com alguns exemplos no terror, minha área. Em O Sexto Sentido, também 1999, cada vez que a cor de sangue aparece em cena, algo sobrenatural vai acontecer. Segundo o diretor, Shyamalan, o escarlate servia como um indicativo para algo importante: os dois mundos, dos vivos e dos mortos, estavam conectados. Mais recentemente, em Hereditário (2018), temos a personagem Joan (spoilers a seguir), importantíssima para a história. Ela interage com Annie, a mãe dos protagonistas, movendo a trama. Joan surge no estacionamento com uma roupa vermelha e, ao fundo, vemos um carro da mesma cor, em uma conversa crucial. Acontece que, mais tarde, vem a grande descoberta: Joan faz parte do culto ao demônio Paimon.

Mais exemplos em que o vermelho é um prenúncio do mal e da violência, do perigo e da ira? Temos as portas dos elevadores em O Iluminado (1980); a luz do robô HAL, o vilão de 2001 – Uma Odisseia no Espaço (1968); o balão de Pennywise, o palhaço demoníaco de It – A Coisa (1990 e 2017); as lanternas no final de The Invitation (2015).

Então, caro leitor, fique atento da próxima à cor vermelha em qualquer série ou filme, pois ela pode antecipar um ponto importante da trama ou simplesmente atacar sua ansiedade por saber que algo muito ruim vai acontecer.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *